terça-feira, 30 de março de 2010

Pequenas Cafeterias, Grandes Negócios



Conversando com uma amiga em Araguari na Fenicafé, fui questionado sobre uma matéria do programa Mundo S/A sobre pequenas cafeterias de sucesso em Nova Iorque. A matéria fala sobre a preferência dos nova-iorquinos por cafeterias menores às grandes redes como Starbucks.

A matéria é bem interessante e cai como uma luva no projeto do Cafuné. Um ambiente agradável, pequeno mas com investimento em qualidade e atendimento. Uma das questões que a Marianna ficou intrigada foi com a marca da máquina usada nos dois principais cafés da matéria... Um La Marzocco Linea no Abraço Espresso e uma La Marzocco Gb5 no Joe...

Acredito que esse seja o grande diferencial do pequeno empresário americano ao brasileiro... Aqui o empresário investe na loja, na obra, no uniforme, nas louças e deixa por último a qualidade de seus produtos, equipamentos e funcionários.

No exemplo do programa, o Abraço Espresso, uma loja de 10m2 , sem mesas e cadeiras, com uma La Marzocco no balcão e fazendo um grande sucesso deve ser porque investiu na qualidade e não na parede e decoração da loja.

2 comentários:

Carlos disse...

Infelizmente a coisa não é tão simples assim, a La Marzocco de 2 grupos mais simples custa 8500 dólares nos Estados Unidos, mas para nós empresários brasileiros custa 9000 euros (eu acho) ou seja aproximadamente 12000 dólares.
Quanto custa 1 espresso nos EUA? Quanto pagamos aqui no Brasil?
Uma cafeteria pequena nos EUA deve usar uns 3kg de grão por dia, uma pequena em Curitiba usa 500g.
Resumindo, o empresário paga muito caro pelos equipamentos e recebe um valor bem menor por espresso e prepara uma quantidade de xícaras muuuuiiittttoooo menor.
As questões são muito simples:
- o percentual da população brasileira que tem renda suficiente para frequentar as cafeterias é muito pequeno;
- existe uma cultura instituída do café de coador, preferencialmente como cortesia;
- Pagamos em EURO e recebemos em Real.
O problema não está nos proprietários que não se preocupam com a qualidade, está nos clientes que não valorizam esta qualidade. Montamos e administramos negócios, tudo gira em torno do cliente, se o cliente não quer pagar qualidade, não podemos oferecer qualidade.

Café Do Moço disse...

Carlos...

sua teoria é óbvia mas ...que empresário decide abrir um café pra vender 500gr por dia???

Talvez esse detalhe seja mais importante do que o custo da máquina...